Matéria Prima

​Palha de Buriti

Conheça um pouco mais sobre a Palha de Buriti

O buriti é uma palmeira muito alta, nativa de Trinidad e Tobago e das Regiões Centro e Norte da América do Sul, Venezuela e Brasil, predominantemente nos estados da região norte, em especial no Pará, Maranhão, Roraima e Rondônia, mas também encontra-se nos estados do Piauí, Ceará, Bahia, Goiás, Tocantins, Mato Grosso e Acre. É também conhecida como coqueiro-buriti, buritizeiro, miriti, muriti, muritim, muruti, palmeira-dos-brejos, carandá-guaçu, carandaí-guaçu.

 

Em nossos trabalhos utilizamos o que as populações nativas chamam de “seda”, obtida pela extração da fibra encontrada no interior do “olho” ou “folha flecha”, como também é conhecida, em função de seu formato.Trata-se do talo de uma folha jovem, ainda fechada, encontrada em buritis novos, de quatro a 10 metros de altura. A coleta não tem época determinada, podendo ser praticada durante o ano todo.

Embora cada buriti jovem produza de um a cinco “olhos” por ano, a fim de trabalhar sustentavelmente as comunidades locais têm a preocupação de não coletar todos, respeitando o intervalo de seis a oito meses entre cada coleta da mesma planta. Assim, outros “olhos” têm o tempo necessário para abrir a rama (lâmina foliar) e, desse modo, garantir a sobrevivência da planta. Esse tipo de manejo tradicional é amplamente conhecido por artesãos que trabalham com a palmeira em outras regiões do país.

As aplicações do buriti são variadas, da polpa se faz doces, do fruto, óleo e sabão, do tronco, casas, telhados, cestos, do talo das folhas móveis e brinquedos, por tantos usos variados e diversos os nativos a chamavam de “arvore da vida”.

 

Fibra de Bananeira

Conheça mais sobre essa fibra

A bananeira tem origem asiática, é atualmente cultivadas em todo o mundo especialmente em lugares de clima tropicail. É um dos principais produtos de exportação brasileira, além de ser o país que mais a consome. Ela dá frutos uma única vez e depois seu caule é cortado para brotar novamente. A fibra da bananeira é extraída do pseudocaule, esse falso tronco é formado pelas bainhas superpostas das suas folhas, que são retiradas e torcidas a fim de transformarem-se em cordas.

A fibra de bananeira é muito resistente e totalmente biodegradável além de prover de uma fonte facilmente renovável favorecendo o desenvolvimento sustentável.

Do ponto de vista ambiental, o uso dessa fibra tem vários méritos.

Primeiro, ao garantir, ao produtor, mais renda por cada bananeira – mediante o ganho com o cacho e o caule (tronco) – agregando valor a cultura.

Em segundo lugar, em roças grandes, quando se retira o cacho, o caule fica jogado, apodrecendo e tornando-se potencial vetor de doenças. Ao dar-lhe um uso produtivo, esse problema é sanado.

 

Capim Dourado

Conheça um pouco sobre capim dourado

É uma espécie de capim que existe somente na região do Jalapão, localizado no estado do Tocantins.

Sua característica principal é a cor que lembra a do ouro.

As flores do capim dourado se abrem entre julho e agosto. Depois de serem polinizadas,

elas produzem sementes que ficam maduras a partir de setembro.

É nesta época que as hastes ficam secas e brilhosas, e permitida então a extração do capim dourado.

O Naturatins, por meio do parque estadual do Jalapão, criou uma lei para colheita do capim dourado

(portaria nº 092/2005) que especifica que só pode ser colhido depois de 20 de setembro e que no

momento da colheita, as flores devem ser cortadas e jogadas no campo úmido onde foram colhidas.

Existem além dessas, outras regulamentações no estado do Tocantins que proíbem a saída do

material “in natura” da região, por isso a Palhas da terra aprimora as peças já produzidas pela

comunicade local, visando assim a sustentabilidade ambiental, social e econômica do local.

 

Fio de Cobre Banhado

Saiba mais sobre esse material

É um metal maleável e flexível, a partir dele são produzidos pingentes, pulseiras, braceletes, anéis e brincos. As formas das peças são atemporais e delicadas como flores e mandalas. Os fios são trançados e torcidos em crochê, dando ao trabalho a preciosidade de uma joia. Depois são banhadas a ouro para compor harmoniosamente as linhas de Palha de Buriti e Fibra de Bananeira.